Home » Destaques » Cabo PM de Itaperuna é morto por bandidos em Macaé

Cabo PM de Itaperuna é morto por bandidos em Macaé

Bandidos trocam tiros com integrantes do 32ºBPM em Macaé. No confronto, policial é atingido na cabeça. Cabo PM de Itaperuna é o 4º policial morto em 2018

Manhã de terça-feira. Cerca de 30 elementos fortemente armados invadem o Bairro Lagomar, em Macaé. Polícia Militar é acionada por moradores e comparece ao local. Há confronto e começa intenso tiroteio. um cabo PM de Itaperuna, que servia no 32° Batalhão é atingido na cabeça. Militar é socorrido imediatamente, mas morre em seguida.

Mais um chefe de família, mais um herói que dá a vida em defesa da sociedade e que para o estado, vai passar a ser apenas um número de uma terrível estatística do caos que se transformou o Rio de Janeiro.

Mais um herói tomba em defesa de uma sociedade que muita vezes os discrimina. Descanse em paz, Cabo PM José Renê Araújo Barros. Foto: Divulgação

O herói de azul  do GAT, linha de frente de uma instituição que é a primeira barreira entre o crime e a sociedade, era o Cabo PM José Renê Araújo Barros, que tinha 35 anos (oito anos na Corporação) e deixa esposa e três filhos.

O sepultamento do policial será nesta nesta quarta-feira (10) em Itaperuna, Noroeste Fluminense, cidade natal do Cabo PM.

Segundo foi apurado, a ação, que transcorreu na manhã desta terça-feira (09) em Macaé, se iniciou após cerca de 30 elementos de uma facção criminosa, que seriam oriundos da comunidade de Nova Holanda, invadiram a comunidade de Lagomar, que seria dominada por uma facção rival, iniciando assim uma intensa troca de tiros.

Ao chegarem ao local, os Policiais Militares começaram a caçada aos bandidos, quando o Cabo PM de Itaperuna, que há 2 anos era lotado no Batalhão de Macaé, foi atingido na cabeça e veio a falecer quando recebia os primeiros socorros.

Durante todo dia, três ônibus foram incendiados na cidade. A motivação para o caos em Macaé seria o confronto entre facções criminosas rivais, que estão em guerra pelo controle do tráfico no bairro Lagomar, mas o confronto se estendeu até o Centro, a cerca de 10 km de distância, fazendo com que até as  lojas do Calçadão de Macaé, onde está concentrada a maioria do comércio, fechassem suas portas.

Ameaça de saques nas lojas do centro e três ônibus incendiados, foram a tática utilizada pelos bandidos para tentar distrair a atenção da polícia. (Foto: Rildo Herrera/Inter TV)

Segundo apurado, duas pessoas não identificadas passaram avisando no comércio da área central, que haveriam saques nas lojas, numa clara intenção de desviar a atenção da polícia, que neste momento se concentrava toda na procura dos criminosos.

Vídeos produzidos por moradores da comunidade e divulgados nas Redes Sociais, mostravam os momentos de tensão que viveram os moradores  locais. Em alguns deles eram possível ouvir o barulho do tiroteio durante a operação policial.

O Disque Denúncia divulgou um cartaz oferecendo R$ 5 mil de recompensa para quem tiver informações que ajudem a esclarecer a morte do policial.

Na operação de repressão ao criminosos, participaram cerca de 100 policiais militares que contaram com o auxílio de um veículo blindado da corporação (conhecido como Caveirão) além do apoio agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e da Guarda Municipal.

Dois helicópteros da Polícia Militar vieram da capital para participarem da operação que, até o fechamento desta edição, não havia tido seu balanço oficial divulgado.

Dois helicópteros da PM auxiliaram na operação que buscava prender os criminosos. Foto: PM/Divulgação

Segundo informações extra-oficiais, cerca de cinco pessoas, que não tiveram suas identidades divulgadas, teriam dado entrada no Hospital Municipal de Macaé, em decorrência dos confrontos na cidade, sendo que duas das vítimas receberam alta e foram encaminhadas para a delegacia da região para prestar depoimento.

Um dos feridos estaria em estado grave. Não foi informado se há feridos entre as forças de segurança que participaram da operação.

A Polícia Militar emitiu a seguinte nota oficial à respeito do falecimento de um de seus integrantes:

Com profundo pesar, a Assessoria de Imprensa da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro informa o falecimento do Cabo José Renê Araújo Barros. O policial militar morreu após ser baleado na manhã desta terça-feira (09/01), em Macaé, no Norte do Estado. O militar estava em uma operação para reprimir ações criminosas de facções rivais pela disputa de ponto de drogas na Comunidade Lagomar, em Macaé. O policial foi ferido e infelizmente não resistiu, falecendo enquanto era socorrido para a unidade de saúde mais próxima. O policial era lotado no 32º BPM (Macaé), tinha 35 anos, oito anos na Corporação e deixa esposa e três filhos. Ainda não há informações sobre o sepultamento.

Por medida de segurança, a Prefeitura de Macaé determinou o fechamento das escolas municipais localizadas na comunidade de Lagomar e emitiu a seguinte nota:

“A Central de Operações da Polícia Militar encaminhou orientação à Coordenadoria de Segurança Escolar, da Secretaria Municipal de Educação, para que as escolas da rede municipal localizadas no Lagomar fechassem, nesta terça-feira (9). As escolas da rede municipal estão no período de férias e o início do ano letivo 2018 será dia 5 de fevereiro. Durante o período de recesso escolar, a secretaria das escolas funciona, somente, com atendimento para matrícula”.

A notícia repercutiu em diversas redes de televisão, como no Cidade Alerta, da Rede Record:

 

 

 

 

 

 

 

 

Veja também

PM morre ao reagir a assalto em Itaipava

Policial Militar que era de Muriaé, trabalhava na PMERJ ( Macaé) estava de férias e …

Festival Gastronômico Sabores do Noroeste

Festival Gastronômico Sabores do Noroeste em Itaperuna será neste final de semana (10 a 12 …

Coluna do Leitor: Estiagem – Não vou culpar o Santo

De quem é a culpa pela estiagem que castiga as regiões Norte e Noroeste fluminense? …