Home » Destaques » Koluna do Kalango: CINQUENTENÁRIO… COMO DIZIA PABLO NERUDA: “CONFESSO QUE VIVI”

Koluna do Kalango: CINQUENTENÁRIO… COMO DIZIA PABLO NERUDA: “CONFESSO QUE VIVI”

CINQUENTENÁRIO… COMO DIZIA PABLO NERUDA: “CONFESSO QUE VIVI”

Chegando aos cinquenta anos no dia 29 de dezembro…

Nasci em São Cristóvão, bairro do Rio de Janeiro á 0:09h do dia 29/12, lá em 1964.

As décadas de 60 e 70 me encantam até hoje… seja no estilo ou na boa música… épocas em que até música ruim era música boa!

André Bolão

Aos 3 meses de idade, fui morar em Porciúncula com meus avós Waldomiro e Luzia, além de minha tia Therezinha e minha queridíssima madrinha Aparecida… minha mãe havia continuado no Rio trabalhando, afinal eu era produção independente que chegou sem querer, mas graças a Deus muito bem querido.

Tive uma infância incrível, fantástica, extraordinária… tive Natais maravilhosos em família e ainda sigo tendo, 50 anos depois.

Tive bicicleta, soldadinhos, quebra-cabeça, banco imobiliário, conheci pessoalmente o palhaço Carequinha… estudei em escola pública a vida inteira, Orlinda Veiga… que saudade… primeira turma do novo CE Jose de Lannes Dantas Brandão em 1975…

Fiz amigos que seguem até hoje no coração… professores que viraram amigos de hoje… pique, garrafão, taco… tudo no improviso, mas ao ar livre sem imaginar vídeo games ou computadores.

Fui ao cinema, vi Trapalhões, Santo o Mascarado de Prata, 007, Deu a Louca No Mundo… comi cachorro quente em festa de aniversário… a minha primeira festinha foi aos 2 anos, mas nem de pequeno nunca fiz questão, pois no de 5 anos meu pai prometeu  ir e não foi e fiquei esperando até hoje… mas ele era o biológico… meu pai de verdade e muito mais que pai quem me conhece sabe bem que foi o meu amado Waldomiro… puta que pariu que saudade desse velho!

10866940_10203450669535646_1058539454_n

Procuro levar sempre o que ele me deixou no espelho da vida… dirigi fusca, Brasília, Opala, Corcel I, Chevette… gostava de ir a Tombos sem carteira com 16 anos… tive mobilete, moto… um tombo de CB que me rasgou o joelho e passei o carnaval de múmia pelo menos na perna.

Me casei em 83 aos 19… Joseane 17 e em 86, chegou a Andreane, em 90 o André Júnior e em 93 o Adson, que os irmãos rebatizaram de Dico.

Vendi e comprei carro, classifiquei e provei café, rodei Brasil pra todo lado… bebi vinho na Espanha… comi lagarta do coco no Equador… pilotei em Interlagos, corri maratona, corri São Silvestre, viajei de moto aqui e acolá… joguei futebol… nem tudo na mesma ordem.

Vi Pelé, Roberto Dinamite, Zico, Rivelino jogarem… hoje vejo jogadores que ganham fortunas, correm muito e não jogam nada… ahhhh ia me esquecendo do mountain bike… eis um pequeno resumo de uma vida pra lá de boa que já é motivo para agradecer a Deus de joelhos pelo resto da vida e ainda ficar devendo… afinal, pra mim mesmo, nunca pedi nada a Deus.

Sempre pedi pela saúde de filhos, mãe, pai e amigos… mas ainda tinham grandes surpresas por vir…

Em 2009, Ele cruzou meus passos com alguém que mudaria minha vida de forma grande… alguém que me fez virar “André e Cassia”… ela também virou, eu sei… mas para mim, foi algo diferente de tudo… tudo mesmo… sem ela, mesmo que por algumas, horas me sinto perdido… parecendo que deixei parte de mim para trás.

Hoje, morando em Itaperuna, mas o coração ainda cravado em Porciúncula, cidade que faz com eu nem me lembre que nasci no Rio… e de repente vem chegando os 50… meu cinquentenário…

Sei que podem falar que alguns já tem 60 ou 70… ou que outros ainda irão chegar onde cheguei, mas é meu cinquentenário… não sou egoísta, mas esse é meu e só quero agradecer a Deus por me dar essa incrível oportunidade de acompanhar meus cabelos ficando brancos e ralos…

Meus filhos estarem grandes… adultos… e a gente cresce… e você acha que Deus olhou pra mim e disse “agora chega”? Na na ni na não!

Deus… esse cara lá de cima, que olha o tempo todo para cada um de nós… inclusive para os que não estão nem aí pra ele… esse nosso Deus maravilhoso, ainda tinha um presente pra mim nesse cinquentenário…

EU VOU SER AVÔ! É muuuuuita alegria mesmo… os portadores dessa alegria em forma de netinho ou netinha são André Júnior e sua esposa Amanda…  Então? Chegar aos 50, mesmo fora de forma, mas com saúde e passar esse flash back de coisas boas demais é algo que me faz sentir premiado e assim só me resta agradecer a minha mãe dona Sirene, que lá em 1964 teve coragem e peito para segurar a barra e a gravidez em uma época de puritanismo e preconceito às mães solteiras e seus filhos…

obrigado mãe, pois se não fosse sua coragem eu não estaria aqui viu? Agradeço meus avós Waldomiro e Luzia que junto com minha tia Therezinha que tentaram fazer um rubi com essa pedra brita que vos escreve…

A minha madrinha Aparecida que infelizmente não está mais com a gente… a Joseane que é a mãe da Andreane, do Júnior e do Adson… aos 3 figuras que são muito mais que filhos… Andreane, André Júnior e Adson… meus filhos amigos irmãos(podem ser isso tudo né?)…

Agradeço a Cassia que é a mulher da minha vida… a que fez com que eu encontrasse o equilíbrio (não… não era labirintite)… aquela que da atenção quando leio notícias do Bangu ou mesmo quando coloco o vídeo de uma música que ela já viu outras 75 vezes… a que suporta meus momentos de chato (juro que não sou chato… pergunta pra Cassia)… agradeço aos amigos que conquistei nessa vida… e o principal que é o agradecimento a DEUS por tudo isso que vivi e estou vivendo… o futuro a ELE pertence e só me resta agradecer…

 MUITO OBRIGADO! Amo todos vocês!

Veja também

Koluna do Kalango: EGOÍSTAS, EGOCENTRISTAS E O TRÂNSITO

      Hoje vou falar de comportamento… a opinião pode parecer um tanto pessoal, …

Koluna do Kalango: CADÊ A ÁGUA QUE ESTAVA AQUI?

  Olha eu aqui outra vez e dessa vez, muito preocupado, pois o que até …

Koluna do Kalango: BBB, BUNDAS E SIMILARES

Até tentei, não posso deixar de falar sobre o Big Brother Brasil que começou na …